Dicionário Fashion: Duffle/Toggle Coat

18:15

Oie gentes, tudo bem?
Eu sou apaixonada por moda e por história também, então resolvi criar essa sessão aqui no blog para as pessoas que assim como eu ama unir os dois assuntos e entender um pouco mais sobre como aquela história de que "nada se cria, tudo se copia" nunca foi tão verdade como nos dias de hoje.


O casaco surgiu na década de 1940 com a Segunda Guerra Mundial, usado principalmente por homens da Marinha Real Inglesa e era feito de um tecido grosso como lã.
O nome da peça Duffle tem como origem principal seu local de produção: Duffel, Bélgica e para os que chamam de Toggle se deve as características do casaco que consistem em: tecido grosso e quentinho, botões de um lado e holders (seguradores, atualmente de elástico) do outro se alternando - daí o termo toggle -, e na maioria das vezes com capuz.
Como eu disse, a peça era usada por militares e e marinheiros, mas nós a usamos atualmente graças ao general Bernard Montgomery. Este britânico foi uma figura de muita importância ao redor do mundo durante a Segunda Grande Guerra e era constantemente visto com essa peça, sendo fotografado com o mesmo tipo de casaco diversas vezes.
Montgomery era um homem de respeito e durante a guerra muitos civis já queriam a mesma peça que o general pelo simples fato de ele ser um influenciador - as coisas não mudaram muito de lá para cá, não é mesmo? - e assim que a guerra acabou a peça foi vista no guarda-roupas de diversos homens que gostavam do estilo mais clássico e queriam impor respeito - Burberry adora casacos e, assim como o trench coat, ela foi a percursora na fabricação das peças. Isso foi se passando ao longo dos anos e virou uma peça necessário para os dias de frio.
Como tudo muda - ainda bem - a peça foi vista mais tarde nos corpos de mulheres elegantes e igualmente influenciadoras no universo feminino então foi se dissipando por todas que queriam aquela tendência e assim como os homens, hoje vemos figuras importantes desfilando seus casacões por aí.

1. Casaco Ralph Lauren Black Label. // 2. Casaco Ralph Lauren (US$1328) // 3. Casaco TopShop // FOTOS: Taylor Swift Brasil // INFOS: Taylor Swift Style.

Quem é muito adepta do casaco é a cantora Taylor Swift que já foi vista usando o mesmo casaco da Ralph Lauren (o primeiro da esquerda para a direita) em várias ocasiões diferentes ao longo dos anos - a primeira vez que ela foi vista com este duffle foi em 2012 e desde então tem comprado modelos diferentes para seus looks.

FOTOS: Getty Images/Divulgação // INFOS: Getty Images/Divulgação.

A modelo Cara Delevingne é um dos nomes mais citados atualmente e o rosto da moça está associado a marcas como Yves Saint Laurent e Burberry e é claro que a moça não poderia deixar de acrescentar as marcas no seu street style.

FOTOS: Pinterest/Getty Images/Divulgação


Já deu para notar que eu sou uma grande fã do estilo da Alexa Chung e não podia deixar de citar a moça aqui já que ela aparece com esse estilo de casaco em diversas ocasiões: seja em moda de rua ou em eventos de moda, Alexa sempre está bem quentinha e estilosa com seu duffle.

Figurino do filme Ginger & Rose (Ginger e Rosa no Brasil - 2012) por Holly Waddington. FOTOS: Divulgação.

Ginger e Rosa é um filme muito bonitinho e sessão da tarde que fala sobre amizade, confiança e lealdade. Elas sonham em ter uma vida diferente das de suas mães, mas vivem com medo constante de que aconteça uma guerra nuclear e conversam muito com outras pessoas sobre isso, inclusive com o pai de Ginger (Elle lindinha Fanning) que é super pacifista e Rosa (Alice Englert) parece gostar muito mais da conversa do que deveria.
Enfim, além do filme ter essas duas atrizes lindinhas, o figurino é algo que chama muita atenção e já tinha anotado no meu caderninho da faculdade que elas usavam o tal casaco no filme.

Espero que tenham gostado do post e que compartilhem também. Vejo vocês em breve.
Com amor,
Querida Asquini.

You Might Also Like

0 comentários

Sobre

Larissa Honorato
Apaixonada por música, moda, fotografia e comportamentos sociais. Procuro instigar o questionamento e a curiosidade das pessoas para que sempre se descubram e reconstruam.