Entrevista com The Rasmus

22:42

Domingo passado foi um dos dias mais doidos e emocionantes na minha carreira com o blog - por menor que ela seja - porque eu e minha irmã fomos entrevistar a banda finlandesa The Rasmus - que na época do Orkut, principalmente, era da playlist dos que amavam ser pop-alternativos-góticos.
Eles vieram ao Brasil para uma turnê de divulgação do novo álbum, Dark Matters, e encontraram diversos meios de comunicação e um meet and greet incrível com fãs.
Eu acho que tive pelo menos umas três crises de pânico antes de chegar ao lugar - não por fanatismo, mas porque eu estava entrevistando um artista internacional e, ao meu ver, esse é um grande passo para qualquer "criador de conteúdo" - por mais que eu deteste esse termo - e estava morrendo de medo de não dar certo e foi aí que lembrei de uma frase que sempre ouço por aí: "se der medo, vai com medo mesmo".
Acabou que os integrantes Lauri e Aki eram dois fofinhos e simpáticos com sotaque carregado e que mais tarde se tornaram os maiores bebedores de cerveja em três segundos que eu já vi.
No que diz respeito ao novo trabalho - que conta até com música tema de filme de super herói - você pode obter maiores informações assistindo ao vídeo abaixo.
Além de explicar um pouco mais sobre o novo trabalho descobrimos o que os inspira no processo criativo, vida pessoal e até quando eles voltaram ao Brasil com turnê. Também rolou indicação de banda brasileira e ah, spoiler: rolou até um portuguesinho ao final do vídeo.



Veja o post completo da Camila sobre o novo projeto inclusive os novos clipes que eles citaram clicando aqui.
P.S.: sim, o vídeo saiu com um bom atraso e acreditem, não foi falta de vontade minha, mas em breve espero poder desabafar com vocês e criar muitos conteúdos bacanas.
Espero vocês no próximo post e por favor sejam carinhosos porque, sim, nós erramos e estávamos beeem nervosas.
Amo vocês.
Beijos.

You Might Also Like

0 comentários

Sobre

Larissa Honorato
Apaixonada por música, moda, fotografia e comportamentos sociais. Procuro instigar o questionamento e a curiosidade das pessoas para que sempre se descubram e reconstruam.